Em outubro, a Toyota do Brasil comemora 10 anos do projeto Morizukuri, palavra japonesa que significa criar florestas. Concebido com a metodologia Miyawaki, que acelera o crescimento das árvores até 10 vezes mais rápido que outras metodologias de plantio, o projeto teve início em 2011 com a plantação de diversas mudas ao redor da fábrica da Toyota em Sorocaba, SP, inaugurada em 2012.  
Com uma década de vida, a floresta chegou a sua fase “adulta”, com 134 mil árvores, de 143 espécies nativas diferentes, em um espaço de quatro hectares, o que equivale a uma área aproximada de quatro campos de futebol. Devido ao seu crescimento acelerado, o projeto tende a ter maior capacidade de absorção de CO2, e, no último ano, neutralizou cerca de 2.090 toneladas de gás carbônico. 
O Morizukuri da Toyota de Sorocaba faz parte do conceito Ecofactory, criado pela matriz Toyota Motor Corporation, em 2011, e que consiste na criação de fábricas sustentáveis, como é o caso da unidade instalada na cidade sorocabana. O projeto ainda contribui para o Desafio Ambiental Global 2050 da companhia, criado em 2015, composto por seis desafios principais. O sexto desafio, especificamente, está ligado à criação de uma sociedade em harmonia com a natureza por meio da promoção de atividades de restauração e conservação de florestas nas proximidades de onde a Toyota estiver instalada, além de difundir a conscientização, educação e pesquisa ambiental. 
Desenvolvimento do Morizukuri
Para chegar ao desenvolvimento da floresta em apenas 10 anos, a Toyota adotou a metodologia Miyawaki, batizada com o nome de seu criador, Dr. Akira Miyawaki, professor emérito da Universidade Nacional de Yokohama e diretor do Centro Japonês para Estudos Internacionais de Ecologia, falecido neste ano. 
A grande diferença dessa metodologia está na técnica utilizada, que acelera o crescimento das mudas 10 vezes mais rápido que qualquer outra metodologia de plantio aplicada pelo mundo. Por meio dessa técnica, é possível formar uma floresta “adulta” em 10 anos ao invés de 100 anos, tempo estimado que uma floresta leva para crescer em condições naturais.  
Quatro princípios essenciais são considerados para a aplicação da metodologia Miyawaki: solo fértil, diversidade, densidade e competitividade. O objetivo é simular uma floresta natural utilizando suas características fundamentais para acelerar o seu processo de crescimento. Um exemplo é a plantação de três mudas por metro quadrado ao invés de apenas uma. 
A metodologia, portanto, se baseia na restauração das funções ecológicas da floresta em um tempo menor, recriando as condições de um ambiente natural, com a diversificação de espécies, maior densidade de plantio e um solo fértil, garantindo competitividade e um desenvolvimento acelerado.
Os mais de 140 tipos de árvores que fazem parte da floresta foram escolhidos após estudos das espécies nativas da região de Sorocaba apontarem quais apresentavam maior potencial de germinação. Entre elas estão Jequitibá Rosa, Cedro, Paineira, Aroeira Pimenteira, Guapuruvu, Goiabeira, Ipê, entre outras. Uma vez selecionadas, as sementes das árvores foram levadas para um viveiro criado na fábrica da Toyota em Indaiatuba, SP, e semeadas pelos próprios colaboradores. E assim nasceram as primeiras mudas do projeto. 
Entendendo que a floresta é um bem para toda a sociedade, a comunidade e os colaboradores da Toyota participaram de todas as etapas do Morizukuri, desde a semeadura até o plantio. Hoje, ao completar 10 anos de existência, o projeto tornou-se um laboratório vivo, proporcionando a execução de estudos na área ambiental e o desenvolvimento da pesquisa científica. Em parceria com universidades, já auxiliou na formação de mais de 110 estudantes e foi tema de cinco teses de mestrado, além de possibilitar a pesquisa em silvicultura (ciência que estuda os métodos naturais e artificiais de regenerar e melhorar os povoamentos florestais) e notas inéditas sobre pragas e insetos em espécies arbóreas.  
Resultados
Nos 10 anos do projeto Morizukuri, as árvores alcançaram a altura média de 16 metros e possibilitaram a recuperação da fauna e flora local, além de aumentar a biodiversidade na região e melhorar a qualidade da água. Comparando o desempenho com uma área verde criada e mantida de forma tradicional, foi possível perceber 61% a mais de presença de pássaros, com 64 espécies visitando a região. 
Para medir o sucesso do projeto, a Toyota implementou diversos padrões e sistemas de medição do desenvolvimento. Entre eles, determinou alguns bioindicadores que recebem notas de zero a três para avaliar a riqueza de espécies, densidade de plantas, entre outros. Desses, 70% apontaram para condição semelhante ao fragmento florestal de referência, mostrando que os processos ecológicos estão sendo restaurados. 
Em parceria com universidades, a Toyota do Brasil está trabalhando em um estudo de sequestro de carbono da área. O objetivo é comprovar que o Morizukuri tem um maior potencial de absorção de carbono do que outras metodologias de plantio adotadas no mundo, além de revelar a quantidade de carbono estocado no plantio e seu potencial de sequestro futuro.
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
A divulgação deste material colabora diretamente para os seguintes Objetivos de Sustentabilidade das Organizações das Nações Unidas:


https://www.toyotacomunica.com.br/wp-content/uploads/2021/10/Toyota-561.jpg
https://www.toyotacomunica.com.br/wp-content/uploads/2021/10/DJI_0077-2.jpg
https://www.toyotacomunica.com.br/wp-content/uploads/2021/10/Morizukuri_03.jpg